31 de out de 2018

AGENDA CULTURAL 10/11


A galera da @noisqfaiz mandou avisar que tá chegando o dia... 
E o Quintal Cultural é o lugar para a Batalha Marginal! | Seletiva do Duelo de Mc's Nacional 2018

 Quem será que vai se classificar pra disputar uma vaga em Salvador?  
Convoquem suas torcidas! 

 Além da seletiva do Duelo de Mc's o evento conta com apresentações de rap: 
Reles no Rules 
Mc Tribo 
Laff Mc  
Boladão RL 

 No evento também vai rolar uma roda de dialogo! Então junta a galera e cola cedo pra aproveitar toda a programação! 

Mais informações: @noisqfaiz 

 #batalhaderima #batalhamarginal #hiphopal #hiphopbr #culturaemmovimento #resistencia #correria #noizqfaz #batalhademc #agendacultural #quintalcultural #blogdasakura



AGENDA CULTURAL 02/11


AVE SANGRIA o tributo - Festa em homenagem a banda Ave Sangria; Originária de Olinda, é um dos principais expoentes da cena psicodélica musical dos anos 70.
Inicialmente chamado de Tamarineira Village, o conjunto mudou de nome por sugestão de uma cigana que os integrantes conheceram no interior da Paraíba. Era formado por Marco Polo(vocais), Ivson Wanderley (violão solo e violão), Paulo Raphael (base de guitarra, sintetizador, violão, vocal), Almir de Oliveira (baixo), Israel Semente (bateria) e Agrício Noya (percussão). Seu trabalho mais conhecido é o álbum Ave Sangria de 1974.
O grupo foi alvo da censura da ditadura militar. Uma ilustração da capa do álbum da banda sofreu alterações, sendo formulada pelos integrantes como um "papagaio drag queen".
Nesse tributo a trupe é composta por: Diogo Oliveira (vocal e flauta), Emerson Padilha (violão), Rapha Elias (guitarra), Jonathan Melo (baixo) e Tido Moraes (bateria). O show de abertura da noite com Natalhinha Marinho e banda tocando os clássicos de SERGIO SAMPAIO.


27 de out de 2018

MANIFESTO HIP HOP ALAGOANO ANTIFASCISTA

Não é novidade que o Brasil atravessa uma grave crise política e econômica marcada inicialmente pelo golpe de Estado de 2016, encabeçado por um deputado federal criminoso e um congresso corrupto. Na ocasião, a então presidenta Dilma Rousseff foi afastada e o golpista Michel Temer assumiu a presidência do Brasil.
Os desdobramentos desse episódio se refletem até hoje. A onda conservadora avançou e ganhou forças, e trouxe consigo alguns elementos que podemos caracterizar como traços fascistas: discurso de ódio, totalitarismo, criminalização da esquerda, perseguição as minorias e negação ao intelectualismo.
Com o avanço do fascismo, personificado pela figura do então candidato a presidência Jair Messias Bolsonaro, os discursos de ódio se materializaram em atitudes de repressão e violência, e a imagem de Bolsonaro passou a ser cultuada em todo país. A violência está personificada em sua figura e tudo o que ela representa. Casos de assassinato, como o de Mestre Moa do Katende na Bahia, são exemplos do avanço deste terror.
Nós entendemos a importância e o significado do Hip Hop tomar para si a responsabilidade de manter a periferia

informada e preparada para os combates. Historicamente somos nós as principais vítimas do Estado e sofremos na pele, cotidianamente, as contradições do capitalismo. Reconhecemos o berço do Hip Hop. Reconhecer sua raiz é saber que nós sempre estivemos lado, o lado do justo, o lado do oprimido e é desse lado que marcharemos e o defenderemos. Sendo assim, repudiamos veementemente a candidatura de Jair Bolsonaro e tudo que ela representa.
No próximo dia 28, estaremos ao lado do nosso direito de viver e contestar, estaremos ao lado da democracia, ao lado de Haddad, somos resistência!